Logo Giro
Search
Close this search box.
giro

Governador Tarcísio de Freitas sanciona salário mínimo de R$ 1.550 para o Estado de São Paulo

Logo Giro
Reajuste sancionado pelo governador Tarcísio de Freitas será publicado no Diário Oficial do Estado de São Paulo (Divulgação/Governo de São Paulo)

Criado em 2007, piso estadual permite que trabalhadores paulistas recebam remunerações acima do salário mínimo nacional. Novo salário entrará em vigor a partir de 1º de junho

O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), sancionou nesta quinta (25), em cerimônia no Palácio dos Bandeirantes, o Projeto de Lei que elevou o salário mínimo em todo o Estado de São Paulo para R$ 1.550. Agora, o texto segue para publicação no Diário Oficial do Estado de são Paulo para entrar em vigor em 1º de junho.

O projeto foi apresentado pelo governo foi aprovada pelos deputados estaduais, na Assembleia Legislativa de são Paulo (Alesp), no dia 11 de abril e unifica as duas faixas anteriores de remuneração, de R$ 1.284 e R$ 1.306, representando um reajuste de 20,7% para a primeira e de 18,7% para a segunda. O índice de aumento do piso paulista é quatro vezes maior do que a inflação acumulada nos últimos 12 meses, de 4,65%, segundo o IBGE.

LEIA TAMBÉM: Prefeitos de Osasco, Barueri e mais cidades da região anunciam reajuste para os servidores

“Nós temos que celebrar as vitórias, as conquistas e cada passo que estamos dando. A gente sabe que muitos passos têm que ser dados, mas é um primeiro passo importante para outros passos vigorosos no sentido de recuperação de poder de compra do trabalhador, de uma sociedade mais justa e humana e de um estado mais desenvolvido, com mais diálogo e dignidade”, declarou o governador. “Nós não vamos passar nenhum ano em São Paulo sem aumento real de salário mínimo acima da inflação”, reforçou Tarcísio.

Governador Tarcísio de Freitas seguiu lei criada em 2007

Criado em 2007, o piso estadual permite que trabalhadores paulistas recebam remunerações acima do salário mínimo nacional. Os valores propostos pelo governo do Estado levam em conta as condições de demanda de mão-de-obra e custo de vida em São Paulo, incorporando especificidades do mercado de trabalho local.

Receba nossas notícias em seu e-mail