Logo Giro
Search
Close this search box.
giro

Camila Travaglini: top model investe na carreira de atriz

Logo Giro
Modelo Camila Travaglini em sessão fotográfica (Acervo pessoal / Divulgação)

Ao GIRO, modelo fala sobre a experiência de ter trabalhado com Gisele Bündchen, suas andanças pelo mundo e seu amor por Osasco

Enquanto muitos fashionistas sonhavam em acompanhar de perto um desfile com a übermodel Gisele Bündchen, a modelo Camila Travaglini já passava horas do seu dia ao lado de Gisele após ser contratada pela Pantene. “Participei de um teste que durou uma semana e, para minha surpresa, fui escolhida para ser a sósia oficial da Gisele em uma série de ações publicitárias”, relembra.

Camila Travaglini: top model investe na carreira de atriz
(Acervo pessoal / @cartierphotographer / Reprodução Instagram)

Nascida em São Paulo, Camila morou praticamente a vida toda em Osasco, cidade que considera sua terra natal. “Quando não estou viajando a trabalho, vou a Osasco para visitar a minha mãe. Eu amo a cidade”, diz a modelo em entrevista exclusiva ao GIRO.

Camila Travaglini: top model investe na carreira de atriz
(Divulgação / Acervo pessoal)

Sua jornada no universo da moda teve início aos 7 anos, em Osasco. “Meu pai não gostava muito da ideia, e, de tanto eu insistir, minha mãe me levou para fazer um book em um estúdio localizado na rua Antônio Agu, Centro de Osasco”. A partir daí, sua carreira ganhou vida própria, e aos 16 anos, embarcou em projetos cada vez mais desafiadores dentro e fora das passarelas.

A ascensão da carreira internacional possibilitou que Camila vivesse em diversos países. “Aprender novos idiomas e ter contato com muitas pessoas é um lado muito bom da profissão de modelo. Em Hong Kong, por exemplo, era um desafio, pois o idioma é completamente diferente, a alimentação, os costumes e o fuso horário”, diz.

A seguir, acompanhe os melhores momentos da entrevista.

Início da carreira
“Com o book em mãos, aos 7 anos, passei a integrar o casting de agências de crianças, como a Dois Tons. Na fase da adolescência, consegui alguns trabalhos em revistas de debutantes, entre outros projetos pontuais. Foi aos 16 anos que os trabalhos profissionais começaram a surgir com ênfase e desde então não parei mais. Quando completei 20 anos, aconteceu o episódio com a Gisele [Bündchen].”

(Divulgação / Acervo pessoal)

“Desde criança, sonho em ser atriz”
“Na verdade, quando eu era criança, eu queria ser atriz. Conforme fui crescendo, trabalhar com moda acabou sendo um caminho natural. Meu pai dizia que eu deveria fazer faculdade. Então, terminei o colégio e fui direto para o vestibular e comecei a estudar Psicologia. Depois de um ano e meio de curso, entendi que não era o que eu gostava e tranquei. Além disso, já estava trabalhando bastante e faltava muito às aulas. Mantive apenas o curso de Teatro.”

Campanhas para grandes marcas
“Enquanto modelo, já fiz praticamente tudo o que uma modelo pode fazer (risos). Desfilar em passarela era o tipo de trabalho que não gostava de fazer. Inclusive, um dos meus últimos desfiles foi para a Dior. Realizei muitos editoriais e capas de revista. Na parte publicitária, só não fiz campanha para marcas de cerveja (risos). Tive a oportunidade de trabalhar com grandes nomes como Tim, Sky, Hope, Smirnoff, Natura, O Boticário, Contém1g, entre muitas outras. Certamente, minha maior campanha foi para a Pantene, gigante de produtos capilares da Procter & Gamble.”

“Minhas referências sempre foram as modelos Naomi Campbell, Kate Moss e a Gisele Bündchen”

Transformação digital e carreira de atriz
“Na verdade, nós, modelos, precisamos nos reciclar constantemente. Sou de uma época em que não existia nada disso. Creio que, para modelos da minha geração, seja um pouco mais difícil acompanhar essa transformação digital. Antes, ‘modelo não falava’, não sentia fome e não tinha frio (risos). Seguíamos uma linha, digamos, blasé, sem emitir opinião. Confesso que esse universo de inúmeras redes sociais ainda é desafiador para mim. No meu Instagram, costumo compartilhar alguns trabalhos e evito postar sobre a vida pessoal. Não tenho a pretensão de me tornar influencer ou blogueira. Estou totalmente focada em minha carreira como atriz.”

Camila Travaglini: top model investe na carreira de atriz
(Divulgação / Reprodução Instagram)

Teste da Pantene
“O dia a dia de uma modelo é muito trabalhoso. Costumamos fazer vários testes por dia. Até mesmo o teste da Pantene, eu não sabia o que era. Eu recebia a lista de testes e selecionava aqueles com cachês mais interessantes. Muitas vezes, essas avaliações são realizadas em regiões distantes de São Paulo e costumam ser uma correria. Hoje em dia, muitos clientes recorrem ao que chamamos de ‘a digital’, que basicamente é um vídeo com nossa apresentação e fotos variadas. No dia do teste da Pantene, cheguei à agência, localizada nos arredores do Shopping Morumbi e só tinha mulheres loiras. Os executivos da agência explicaram o que seria o trabalho e a bateria de testes durou uma semana. Para minha surpresa, eles me escolheram!”.

(Divulgação / Acervo pessoal)

Sósia da Gisele Bündchen
“Vestida basicamente com jeans, uma camiseta, óculos escuros e cabelo solto, o trabalho inicialmente consistia em entrar em uma van, acompanhada de seguranças, e descer em locais pré-definidos. Começamos a caminhar pela Avenida Paulista, e ninguém entendia nada. Atores foram contratados para nos seguir, como se fossem paparazzi, e eles chamavam pela Gisele. Logo na sequência, sachês do produto eram distribuídos por promotores. Vários portais, depois, publicavam manchetes do tipo ‘Gisele foi vista circulando com seguranças pelo Iguatemi’. Ficou aquele burburinho no ar até a Gisele ser anunciada como a nova embaixadora da marca. Viajamos para várias regiões do País para promover a campanha. Senti na pele como é ser uma celebridade (risos)”.

Carreira internacional
“O primeiro país em que fui morar foi a Argentina. Como tinha contrato com a Pantene e estudava Teatro, nunca fiquei muito tempo fora, ao contrário da maioria das modelos. Passava temporadas fora do Brasil para realizar os trabalhos e voltava. É assim até hoje. Já trabalhei na Espanha, Cingapura, Hong Kong, Londres, Nova York, Milão, Estados Unidos, entre outros. O Japão e a Austrália estão em meu radar, e devo voltar a viajar a trabalho a partir de janeiro de 2024.”

(Divulgação / Acervo pessoal)

Lado bom e lado ruim da profissão
“Precisamos amadurecer muito cedo e temos que lidar com muita competição e rejeição diariamente. Se eu não fosse modelo, não sei se teria a oportunidade de viajar e conhecer tantos países. Aprender novos idiomas e ter contato com muita gente é um lado muito bom. Dieta não vou dizer que é ruim, pois gosto de fazer e de cuidar do corpo. Ficar longe da família é um lado ruim, pois nos sentimos sós. Em Hong Kong, por exemplo, era um desafio, pois o idioma é completamente diferente, a alimentação, os costumes e o fuso horário. O lado bom e o lado ruim andam juntos o tempo todo.”

Camila Travaglini: top model investe na carreira de atriz
(Divulgação / Acervo pessoal)

Eu amo Osasco
“Nasci em São Paulo, no entanto, me considero uma osasquense, pois morei em Osasco a minha vida toda e, apesar de morar em São Paulo devido ao trabalho, sempre estou em Osasco, principalmente nos fins de semana. Eu amo Osasco! Todo mundo tem que conhecer a cidade e comer o famoso dogão, que eu adoro. Gosto de passear no Parque da FITO e costumo ir no Shopping União. Tenho 7 gatos, sendo que dois moram em meu apartamento e outros 5 ficam com minha mãe. Eu brinco que é guarda compartilhada (risos)”.

Experiência com o vôlei
“Meu tio era um técnico de futebol muito conhecido e sempre nos incentivou, a mim e às minhas primas, a praticar esportes. Como eu era alta, ele dizia que eu deveria jogar vôlei ou basquete. Participei de uma peneira e acabei ingressando no time juvenil do BCN, que é o atual time de vôlei feminino da cidade, o Osasco São Cristóvão Saúde. Com o aumento dos trabalhos como modelo, não foi possível conciliar as duas atividades.”

Bate-papo com Camila Travaglini

Uma marca?
Pode ser duas? (risos). Chanel e Hermès.

Peça coringa do guarda-roupa?
Calça jeans e bota. Sou viciada em botas. Tenho coleção!

(Divulgação / Acervo pessoal)

Uma peça que não entra em seu guarda-roupa?
Cropped. Não gosto de usar peças que mostrem a região da barriga.

Um livro?
Tenho um aqui ao meu lado que estou lendo, o ‘Utopia para realistas: como construir um mundo melhor’, escrito por Rutger Bregman.

Uma atriz brasileira?
Vera Holtz.

Uma atriz estrangeira?
Meryl Streep.

Um ator brasileiro?
Wagner Moura.

Um ator estrangeiro?
Jim Carrey. Ele usa uma técnica de atuação que eu adoro, de incorporar o personagem até mesmo quando deixa o set de gravação. Ou seja, mesmo quando já está em casa, ele permanece imaginando que é o personagem daquele que está interpretando naquele momento. Quando retorna ao estúdio, ele pede para ser chamado pelo nome do personagem.

Um filme?
Um dos últimos que vi e que me tocou muito foi ‘A Baleia’, com o Brendan Fraser.

Uma série?
Tem uma que eu amo, a Years and Years e Breaking Bad.

Viagem inesquecível?
O sonho da minha mãe era conhecer a Disney, e eu a levei em seu aniversário de 60 anos. Minha irmã também foi. Desde o falecimento do meu pai, todo ano nós três fazemos uma viagem juntas.  

Perfume favorito?
Poderia citar um da marca Creed ou o Santal 33, mas o Baccarat Rouge 540 é o meu favorito.

(Divulgação / Acervo pessoal / Reprodução Instagram)

O que não pode faltar em sua bolsa/nécessaire?
Creme de mãos, protetor solar, desodorante, álcool em gel que eu já era viciada antes mesmo da pandemia (risos), um lip balm e um corretivo. E, claro, um vidrinho com meu perfume.

Quais produtos não abre mão em seu skincare diário?
Eu uso tanta coisa que meus amigos vem em casa e se assustam com a quantidade de cosméticos que eu tenho (risos). Recentemente passei por um procedimento super agressivo chamado peeling de fenol profundo e não posso usar muitos produtos. Mas o essencial é um bom sabonete para lavar o rosto seguido de água thermal e tônico facial. Hidrante para os olhos e rosto. Vitamina C e protetor solar são indispensáveis. Antes de deitar não abro mão de uma máscara de preferência com ácido retinóico que é anti aging. Lembrando que tudo que eu passo no rosto eu desço para o pescoço, colo e mãos. Eu vivo bolando meus próprios cosméticos, tanto assim que penso em cursar Cosmetologia.

Para manter a pele, o corpo e o cabelo sempre impecáveis, quais são os seus segredos?
Bom, para manter tudo isso, confesso que dá um trabalhinho (risos)! Eu faço aulas de boxe há muitos anos com meu mestre Márcio Catenacci. Pratico musculação com meu personal, o Alex Fialho, meu professor há 10 anos. Faço treinos aeróbicos além de me alimentar de forma saudável, algo que aprendi ao longo dos anos. Não sigo nenhuma dieta restritiva; aprendi a me alimentar de forma saudável e faço acompanhamento com meu endocrinologista, Gabriel Almeida. Tomo vitamina C e um shot de cúrcuma todos os dias ainda em jejum e costumo tomar um café da manhã reforçado, almoço bem e, por volta das 19 horas, só como alimentos mais leves. Como tenho intolerância ao glúten e lactose, evito esses alimentos. Malho todos os dias da semana e às vezes também nos sábados e domingos. Mas que fique claro, isso não é um sofrimento para mim. Eu gosto de treinar e amo o boxe. É como uma terapia. E me alimentar bem também não é um sacrifício, pois não deixo de comer nada. Apenas sei moderar, e é um estilo de vida que gosto de seguir e que também influencia na saúde da pele. A pele fica muito mais bonita quando você cuida de dentro para fora. Mas isso não significa que não cuido muito! Não abro mão da minha dermatologista, a minha amada Dra. Cris Coelho, que me ajuda na parte da estética corporal, e da nutróloga. Faço drenagem e não vivo sem óleos para banho. De preferência, óleo de sementes como girassol e rosa mosqueta! E saio do banho e ainda uso um bom hidratante. Tenho creme para todas as partes do corpo (risos). Por fim, meu cabelo, que não deixo mais ninguém tocar além do meu cabeleireiro, Marconis Soares, do salão Marcos Proença, que cuida do meu cabelo há uns 8 anos. Para manter o loiro saudável, que não é fácil apesar de eu ser loira natural, fazemos mechas, então hidratamos pelo menos uma vez por semana no salão e todo mês cortamos as pontas para tirar as partes danificadas e auxiliar no crescimento do cabelo forte e saudável. Mas não paro por aí; cuido muito do meu cabelo em casa também. Sempre que tenho um tempinho, estou com uma máscara hidratando os fios. Também gosto muito de fazer limpeza no couro cabeludo e, com certeza, usar os produtos bons e próprios para o meu tipo de cabelo. Nunca durmo com o cabelo molhado. Para a pele, o essencial é remover a maquiagem antes de dormir. Uso muita água termal, hidratante e protetor solar, que nunca pode faltar! Também faço muitos lasers e já fiz vários procedimentos estéticos. Um dos meus preferidos é o Sculptra, que são injeções para estimular o colágeno. Faço no rosto e no bumbum sempre!

Sonho de consumo?
Tenho vários sonhos de consumo. Sou capricorniana e confesso que bem consumista (risos). Também sou extremamente fã do e-commerce e faço compras do supermercado online. Facilitou a vida de todomundo. Diria que o principal seria comprar uma casa bem grande para reunir a família inteira.

Uma frase?
Vou citar o trecho de uma música que gosto muito: ‘Minha mãe quem dizia. Não existe herói, te criei rainha’.

Qual é o seu sonho?
Ter meu pai de volta. Sonho com a cura do câncer, pois perdi meu pai para a doença.

Jornalismo regional de qualidade
Há mais de 15 anos, o GIRO noticia os acontecimentos mais importantes nos 12 municípios que compõem o consórcio *Cioeste. Essas cidades estão localizadas na Região Metropolitana da Grande São Paulo e possuem uma população que ultrapassa os 2,5 milhões de habitantes.    

Siga o perfil do jornal no Instagram e acompanhe outros conteúdos.

*Cioeste: Araçariguama, Barueri, Cajamar, Carapicuíba, Cotia, Itapevi, Jandira, Osasco, Pirapora do Bom Jesus, Santana de Parnaíba, São Roque e Vargem Grande Paulista.

Receba nossas notícias em seu e-mail