Logo Giro
Search
Close this search box.
giro

Homem é condenado a dois anos de prisão por vender bilhetes de trem falsos em Itapevi

Logo Giro
Segundo o TJSP, conduta configura crime de falsificação de papéis públicos (Felipe Barros/Prefeitura de Itapevi)

De acordo com a Justiça de SP, o acusado utilizava tecnologia desconhecida para carregar o cartão Bilhete Único de maneira ilícita, com valores irreais; saiba mais detalhes

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) condenou um homem a dois anos de prisão por vender bilhetes de trem falsos, na estação de Itapevi, da Linha 8-Diamante. A determinação foi divulgada na terça-feira (18), pela 3ª Câmara de Direito Criminal do Tribunal de Justiça de São Paulo.

De acordo com os autos, o acusado utilizava tecnologia desconhecida para carregar o cartão Bilhete Único de maneira ilícita, com valores irreais, o que possibilitava a comercialização das passagens por um valor menor do que o preço oficial.

O cartão foi apreendido por policiais civis, durante operação, em setembro de 2017. A conduta configurou crime de falsificação de papéis públicos, prevista pelo artigo 293 do Código Penal Brasileiro.

Leia Mais: Itapevi: passagem sob trecho férreo da Linha 8-Diamante será liberada em outubro

Fixação da pena

Homem é condenado a dois anos de prisão por vender bilhetes de trem falsos em Itapevi
Segundo o TJSP, a decisão foi unânime (Divulgação/TJSP)

O relator do recurso, desembargador Álvaro Castello, pontuou que “o conjunto probatório é idôneo e satisfatório para embasar o decreto condenatório”. Além disso, o oficial acrescentou que é “inaplicável” o princípio da insignificância postulado pela defesa do indivíduo, por se tratar de “documento contrafeito de entidade pública, diante da vulneração do inerente interesse da sociedade”.

A pena foi fixada em dois anos de reclusão, convertida em serviços à comunidade e prestação pecuniária, além de multa, conforme sentença proferida pela Vara Criminal da comarca de Itapevi.

O julgamento também contou com os desembargadores Toloza Neto e Luiz Antonio Cardoso. Segundo o TJSP, a decisão foi unânime.

Receba nossas notícias em seu e-mail