Logo Giro
Search
Close this search box.
giro

Salário mínimo será de R$ 1.412 em 2024, alta de 6,97%

Logo Giro
O novo valor começa a ser depositado na conta no início de fevereiro (Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

Segundo o Dieese, o salário mínimo serve de referência para 54 milhões de pessoas no Brasil, um em cada quatro brasileiros

O tão esperado valor do salário mínimo para 2024 saiu, ficando em R$ 1.412. O decreto que define o montante foi assinado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nesta quarta-feira (27) e deve ser publicado ainda hoje em edição extra do Diário Oficial.

A elevação foi de R$ 92, representando aumento de 6,97% em relação ao ano passado. Atualmente, o mínimo é de R$ 1.320,00. Segundo o Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o salário mínimo serve de referência para 54 milhões de pessoas no Brasil, um em cada quatro brasileiros.

Salário mínimo: a partir de 1º de janeiro

Como o novo salário mínimo entra em vigor a partir de 1º de janeiro de 2024, o novo valor começa a ser depositado na conta no início de fevereiro.

O valor segue a política de valorização do salário mínimo aprovada pelo Congresso Nacional e sancionada pelo presidente Lula em 2023. A regra consiste na soma de dois índices: Índice Nacional de Preço dos Consumidores (INPC) dos últimos 12 meses até novembro, e o produto interno bruto (PIB) consolidado de dois anos anteriores.

Salário mínimo em outros anos

A revista Exame divulgou o histórico do salário mínimo entre 1004 e 2023, segundo dados do Dieese. Confira:

  • 2024: R$ 1412 – aumento de 6,97%
  • 2023: R$ 1.302 em janeiro – aumento de 7,5% / R$ 1.320 a partir de maio – aumento de 1,4%
  • 2022: R$ 1.212 – aumento de 10,18%
  • 2021: R$ 1.100 – aumento de 5,26%
  • *Segundo ajuste 2020: R$ 1.045 – aumento de 0,58%
  • Jan 2020: R$ 1039 – aumento de 4,11%
  • 2019: R$ 998 – aumento de 4,61%
  • 2018: R$ 954 – aumento de 1,81%
  • 2017: R$ 937 – aumento de 6,48%
  • 2016: R$ 880 – aumento de 11,68%
  • 2015: R$ 788 – aumento de 8,84%
  • 2014: R$ 724 – aumento de 6,78%
  • 2013: R$ 678 – aumento de 9%
  • 2012: R$ 622 – aumento de 14,13%
  • 2011: R$ 545 – aumento de 5,88%
  • 2010: R$ 510 – aumento de 9,68%
  • 2009: R$ 465 – aumento de 12,05%
  • 2008: R$ 415 – aumento de 9,21%
  • 2007: R$ 380 – aumento de 8,57%
  • 2006: R$ 300 – aumento de 16,67%
  • 2005: R$ 260 – aumento de 15,38%
  • 2004 :R$ 260 – aumento de 8,33%
  • 2003; R$ 240 – aumento de 20%
  • 2002: R$ 200 – aumento de 11,11%
  • 2001: R$ 180 – aumento de 19,21%
  • 2000: R$ 151 – aumento de 11,03%
  • 1999: R$ 136 – aumento de 4,62%
  • 1998: R$ 130 – aumento de 8,33%
  • 1997: R$ 120 – aumento de 7,14%
  • 1996: R$ 112 – aumento de 12%
  • 1995: R$ 100 – aumento de 42,86%
  • 1994: R$ 70 – aumento de 8,04%
  • 1994: R$ 64,79

Com informações da revista Exame.

LEIA MAIS: PIB: Osasco está entre as 7 principais economias do País

Jornalismo regional de qualidade
Há mais de 16 anos, o GIRO noticia os acontecimentos mais importantes nos 12 municípios que compõem o consórcio *Cioeste. Essas cidades estão localizadas na Região Metropolitana da Grande São Paulo e possuem uma população que ultrapassa os 2,5 milhões de habitantes.    

Siga o perfil do jornal no Instagram e acompanhe outros conteúdos.

*Cioeste: Araçariguama, Barueri, Cajamar, Carapicuíba, Cotia, Itapevi, Jandira, Osasco, Pirapora do Bom Jesus, Santana de Parnaíba, São Roque e Vargem Grande Paulista.

Receba nossas notícias em seu e-mail