Destaque 

Vereador pede investigação na Câmara de Barueri

Carlinhos do Açougue usou a tribuna para acusar atual presidente Fabião - Foto: Vanessa Dainesi/Giro S/A
Tensa. Essa é palavra que descreve a sessão desta terça-feira, 5, na Câmara de Barueri, que marcou a retomada dos trabalhos legislativos em 2019. Sem projetos na pauta, a sessão do expediente ficou destinada a leitura do Projeto de Lei que prevê reformulações no Plano de Carreira da GCM (Guarda Civil Municipal) e a leitura de indicações feitas pelos parlamentares.
Mas as divergências entre os vereadores começaram a surgir após o 1º secretário, vereador Zuffa, ter feito a leitura dos nomes dos integrantes das Comissões Permanentes. Visivelmente insatisfeito, o ex-presidente da Casa, Carlinhos do Açougue (DEM) utilizou o microfone de aparte para registrar que ingressaria com uma ação no Ministério Publico para questionar a escolha dos nomes. Segundo ele, o regimento interno diz que quando não existe consenso entre os parlamentares é necessária a votação através de cédula. "Houve um erro e o Democrata ingressa com uma liminar no Ministério Público. Temos que corrigir esse erro, pois, existe a possibilidade dos projetos que tiverem tramitado nas comissões terem que ser votados novamente", disse.
O atual presidente da Casa, vereador Fabião (PC do B) garantiu que a escolha foi em consenso. "Existiram diversas reuniões. Não participei do processo de escolha, mas presenciei algumas reuniões, inclusive, o senhor se retirou de algumas, então, o senhor pode ingressar com a ação", respondeu o atual presidente.



Demissões
O vereador Carlinhos do Açougue também questionou as demissões realizadas pelo atual presidente da Câmara e disse que ingressará com um pedido de CEI (Comissão Especial de inquérito). No total quase 30 funcionários contratados em regime de comissão foram demitidos. "Existiam funcionários com mais de 25 anos de trabalho, então, já tenho as assinaturas para ingressar com um pedido de CEI para apurar possíveis irregularidades", garante.
Já Fabião justificou que as demissões foram necessárias e disse que o pedido de CEI. "O senhor pode ficar a vontade para protocolar seu pedido de CEI. As demissões foram feitas por uma necessidade de reformulação e não ficarei dando ouvidos para fofocas", finaliza.



Ministério Público
Já durante as explicações pessoais, o vereador Carlinhos do Açougue voltou a falar sobre as demissões e sobre os boatos de que teria desviado dinheiro, através de contratos da Câmara. "Fizeram fofocas para o atual prefeito (Rubens Furlan/ PSDB) e para o ex-prefeito (Gil Arantes/DEM) de que desviei dinheiro da Câmara. Então, peço ao jurídico dessa casa, ao presidente, que encaminhem todas as licitações realizadas enquanto fui presidente ao Ministério Público de São Paulo, não é para o de Barueri. Se tiver algo errado, eu pago pelas minhas ações, pois sou sujeito homem", disse.
Visivelmente irritado, o presidente da Câmara, vereador Fabião, disse que a solicitação será atendida. "Seu pedido será acatado nobre vereador", finaliza.

Veja também: